biblioteca virtual  
IntroduçãoVída Política Sanitarista Pessoal Matérias na Imprensa Depoimentos Galeria de Imagens Linha do Tempo Banco de Dados

voltar para home enviar por email versão para impressão

 Nicarágua

Nicarágua

Nos anos 70, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) era dominada por um pensamento técnico. Mas havia um grupo com uma visão bem diferente, cuja principal liderança era o médico e sociólogo argentino Juan César García. Marxista de carteirinha, García utilizava o espaço da Opas para estimular a criação de mestrados em medicina social, divulgar bibliografias, difundir essa nova abordagem da saúde e incentivar o seu desenvolvimento na América Latina.

Sergio Arouca, adepto dessa corrente, encontrou García pela primeira vez na década de 70, quando ainda era professor da Universidade de Campinas (Unicamp). A princípio, seu olhar era de desconfiança, pois ele achava instituições como a Opas burocráticas demais. Mas logo eles identificaram suas afinidades de pensamento e surgiu uma amizade entre ambos.

Em 1980, o médico argentino vem ao Brasil e convida Arouca para ir trabalhar na Nicarágua como consultor temporário da Organização Pan-Americana da Saúde. Arouca nunca teve entre seus interesses ir para a Organização Mundial da Saúde, ou fazer carreira internacional. Para ele, isso era como se seu pensamento fosse passar por um esterilizador. Mas, naquela época, a Nicarágua passava por grandes transformações e García havia levado para ele a oportunidade de vivenciar essas mudanças.

Em 19 de junho de 1979, houve a tomada do poder na Nicarágua pela Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), que derrotara a ditadura Somoza. A revolução sandinista é considerada a última revolta popular armada a derrotar um governo títere do imperialismo naquele milênio. Havia uma grande euforia no sentido de ajudar o país a levar adiante seus projetos. Em questão de três meses depois do convite, Arouca embarcou para lá.

Na Nicarágua, Arouca trabalhou na Divisão de Planejamento do Ministério da Saúde como assessor/consultor internacional. Nesse período iniciou seus laços com o sistema de saúde cubano, assessorando tanto na formação de recursos humanos quanto no desenvolvimento de programas assistenciais. Apesar das restrições do cargo, seu jeito carismático conquistou logo a equipe com a qual trabalhava. Ele estabeleceu relações de amizade e ajudou na elaboração do Plano Nacional de Saúde daquele país em 1981.

No ano seguinte, começou o desenvolvimento e a elaboração desse plano. Apesar da vontade de ficar e se envolver nas questões locais, Arouca sentia que era hora de retornar ao país, para não perder o “bonde da história” e os acontecimentos que também estavam em processo de transformação no Brasil. Voltou em setembro de 1982.